Artigos

O fim do halogéneo e o LED como presente

A data já estava há muito definida pela União Europeia, mas só ontem é que as lâmpadas de halogéneo começaram a ser descontinuadas do mercado europeu. 1 de Setembro marca o início do fim para as lâmpadas de halogéneo direcionais em todos os Estados-membros, incluindo Portugal, e a medida agrada às associações ambientalistas, bem como às empresas que apresentam soluções alternativas. É o fim do halogéneo e o LED como presente e como futuro da iluminação. Read more

Novos projetores SENSINI

A Primelux apresentará nos próximos dias os seus novos projetores ultrafinos SENSINI e SENSINI S (com sensor), ideais para iluminar todo o tipo de espaço urbano e possíveis de utilizar nas mais diversas aplicações de iluminação. Read more

Nova versão TUBUS T8

Já chegaram ao nosso armazém as novas versões da gama de lâmpadas tubulares TUBUS T8. Read more

Fujitsu incorpora dados na iluminação LED

Luz LED para leitura no smartphone

A vanguardista Fujitsu Laboratories prepara-se para mudar a forma como as pessoas olham para a luz que incide, por exemplo, sobre um objeto de uma galeria de arte. A marca japonesa incorporou dados e armazenou informação “dentro” da luz emitida por um sistema LED multicolor (RGB), através da modulação desses mesmos canais RGB, e realizou esta semana uma demonstração da aplicação para smartphones que tem a capacidade de ler essa informação (de forma muito semelhante à leitura QR code que conhecemos).
Read more

Iluminação LED ilumina pirâmide do Louvre com recurso a 3200 pontos de luz

3200 pontos de iluminação LED iluminam a Pirâmide do Museu do edifício do Louvre.
A iluminação da pirâmide corresponde à primeira fase do projeto que pretende, até 2013, instalar em todo o edifício do Louvre a tecnologia LED. Ao todo, 4500 lâmpadas de Xenon vão ser trocadas 3200 pontos de iluminação LED.
O sistema vai permitir uma poupança de 73% no consumo de energia elétrica, além de reduzir as emissões de CO2 para a atmosfera.
Outras das vantagens da tecnologia LED é o facto de não conter mercúrio e ser facilmente reciclável. O museu vai também poupar na manutenção, uma vez que reduz a 28% os postos de iluminação.